Resenha de Laranja Mecânica (Anthony Burgess)

Laranja Mecânica

Laranja Mecânica

“Laranja Mecânica”, escrito por Anthony Burgess e publicado em 1962, é uma das obras mais controversas e influentes do século XX. Situado em um futuro distópico, o livro explora temas de violência, livre arbítrio e o papel do Estado na reforma comportamental. Além de ser uma leitura provocativa e perturbadora, “Laranja Mecânica” também ganhou notoriedade através da adaptação cinematográfica de Stanley Kubrick em 1971. Neste post, vamos mergulhar na sinopse do livro, discutir seus principais temas e analisar seu impacto cultural e literário.

Sinopse de Laranja Mecânica

A história de “Laranja Mecânica” é narrada por Alex, um jovem delinquente que lidera uma gangue envolvida em atividades ultraviolentas. O livro é dividido em três partes, cada uma detalhando diferentes aspectos da vida de Alex e sua trajetória de transformação.

Parte 1: Violência e Hedonismo

Alex, de apenas 15 anos, e seus amigos – conhecidos como “droogs” – passam as noites cometendo crimes brutais, incluindo agressões, estupros e roubos. Alex é carismático e inteligente, mas profundamente amoral, encontrando prazer na violência. Eles falam em uma gíria chamada “Nadsat”, uma mistura de inglês e palavras eslavas, que adiciona uma camada de complexidade à narrativa.

Parte 2: Prisão e Reabilitação

Após uma noite de crimes particularmente hediondos, Alex é traído por seus amigos e capturado pela polícia. Condenado por assassinato, ele é sentenciado a 14 anos de prisão. Na prisão, Alex se oferece para um programa experimental de reabilitação chamado Técnica Ludovico, que promete reformar criminosos através de aversão condicionada. Durante o tratamento, Alex é forçado a assistir cenas de violência extrema enquanto recebe drogas que induzem náuseas, fazendo-o associar violência a uma sensação insuportável de mal-estar.

Parte 3: Redenção e Livre Arbítrio

Após o tratamento, Alex é incapaz de cometer atos violentos ou até mesmo se defender. Liberado da prisão, ele se encontra indefeso e rejeitado pela sociedade. Seus antigos amigos agora são policiais que o espancam, e ele é perseguido por uma das vítimas de seus crimes. Desesperado, Alex tenta suicídio, mas sobrevive e é levado ao hospital. Lá, ele descobre que os efeitos da Técnica Ludovico foram revertidos, e ele recupera sua capacidade de escolher entre o bem e o mal. No final, Alex começa a considerar uma vida diferente, talvez até formar uma família, sugerindo uma possível redenção.

Temas Principais de Laranja Mecânica

1. Violência e Juventude

“Laranja Mecânica” oferece uma visão brutal da violência juvenil e da delinquência. Burgess não poupa detalhes ao descrever os atos de Alex e sua gangue, forçando os leitores a confrontar a natureza crua e perturbadora da violência. O livro questiona por que a violência é tão atraente para alguns jovens e o que a sociedade pode fazer para abordar esse problema.

2. Livre Arbítrio e Moralidade

Um dos temas centrais do livro é o conceito de livre arbítrio. Burgess argumenta que sem a capacidade de escolher, o ser humano perde sua humanidade. A Técnica Ludovico, que força Alex a se comportar de maneira “moral”, é apresentada como uma violação de sua liberdade individual. A obra questiona até que ponto é aceitável sacrificar a liberdade pessoal em nome da ordem social.

3. Estado e Controle

O papel do Estado na reforma comportamental e no controle social é outro tema importante. A Técnica Ludovico é uma metáfora para os métodos opressivos que os governos podem usar para controlar e manipular seus cidadãos. Burgess critica a ideia de que a conformidade forçada é uma solução válida para o crime e a desordem.

4. Redenção e Crescimento

Apesar de sua natureza violenta, Alex é um personagem dinâmico que passa por uma transformação significativa. O livro sugere que a verdadeira redenção e crescimento pessoal só podem ocorrer através da liberdade de escolha. A jornada de Alex, do hedonismo à impotência e, finalmente, à autorreflexão, levanta questões sobre a possibilidade de mudança e a natureza do arrependimento.

Impacto Cultural e Literário

Desde sua publicação, “Laranja Mecânica” tem sido uma obra polarizadora, incitando debates sobre violência, moralidade e o papel do Estado. A adaptação cinematográfica de Stanley Kubrick em 1971 trouxe ainda mais notoriedade ao livro, sendo tanto elogiada quanto criticada por sua representação gráfica da violência.

O uso de Nadsat, a linguagem inventada por Burgess, é uma das características mais distintivas do livro. Esta gíria única não só adiciona autenticidade ao mundo de Alex, mas também desafia os leitores a se imergirem completamente na cultura distópica que Burgess criou.

Sobre o Autor

Anthony Burgess (1917-1993) foi um prolífico escritor, compositor e crítico literário britânico, cuja obra abrange uma vasta gama de gêneros e temas. Nascido como John Anthony Burgess Wilson em Manchester, na Inglaterra, Burgess adotou o nome Anthony Burgess como seu pseudônimo literário. Sua formação acadêmica em língua e literatura inglesas, que culminou com uma licenciatura pela Universidade de Manchester, influenciou profundamente seu estilo de escrita e seu interesse por linguística.

Burgess começou sua carreira como professor, tanto na Inglaterra quanto no exterior, incluindo períodos na Malásia e em Brunei. Essas experiências internacionais enriqueceram sua visão de mundo e se refletiram em sua obra literária. Ele começou a escrever romances enquanto trabalhava como professor, mas foi somente na década de 1950 que ele se dedicou integralmente à escrita.

Além de “Laranja Mecânica”, Burgess escreveu mais de trinta romances, incluindo obras notáveis como “Earthly Powers” (1980), um épico que examina temas de poder, fé e moralidade através das lentes de um escritor fictício e de um Papa. Seu romance semi-autobiográfico “The Long Day Wanes: A Malayan Trilogy” (1956-1959) oferece uma visão crítica do colonialismo britânico no Sudeste Asiático, inspirado por suas próprias experiências na região.

Burgess também foi um talentoso compositor, tendo escrito várias sinfonias, concertos e peças de música de câmara. Sua paixão pela música frequentemente permeava sua literatura, com muitos de seus romances incluindo referências musicais e estruturas inspiradas em formas musicais. Essa interdisciplinaridade entre música e literatura é uma marca registrada de seu trabalho, evidenciando sua habilidade de cruzar fronteiras artísticas e criar obras ricas e multifacetadas.

Além de seus romances, Burgess foi um ensaísta e crítico prolífico, contribuindo com artigos e críticas literárias para diversas publicações renomadas. Ele escreveu biografias, incluindo a de William Shakespeare, e estudos críticos sobre James Joyce, de quem era um grande admirador. Sua obra “Here Comes Everybody: An Introduction to James Joyce for the Ordinary Reader” (1965) é considerada uma das introduções mais acessíveis e esclarecedoras sobre o autor de “Ulisses”.

Burgess é lembrado não apenas por sua versatilidade e prolificidade, mas também por seu espírito irreverente e sua disposição para abordar temas complexos e muitas vezes controversos. Sua obra continua a ser estudada e admirada, e seu impacto na literatura contemporânea é indiscutível. Anthony Burgess deixou um legado duradouro como um dos grandes escritores do século XX, cujas obras desafiam e inspiram leitores e estudiosos ao redor do mundo.

Conclusão

“Laranja Mecânica” de Anthony Burgess é uma obra essencial para aqueles que se interessam por literatura distópica, filosofia moral e estudos sobre a natureza humana. Através da história perturbadora e provocativa de Alex, Burgess nos desafia a refletir sobre questões fundamentais de liberdade, controle e o verdadeiro significado da moralidade. O livro permanece relevante e impactante, continuando a provocar discussões e reflexões mais de meio século após sua publicação.


Recomendações de Leitura

Se você gostou de “Laranja Mecânica”, outras leituras recomendadas incluem “1984” de George Orwell, que também explora temas de controle estatal e livre arbítrio, e “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley, que examina as implicações de uma sociedade controlada por tecnologia e condicionamento psicológico. Essas obras complementam os temas de “Laranja Mecânica” e oferecem mais reflexões sobre poder, liberdade e a condição humana.


Laranja Mecânica

Título: Laranja Mecânica
Autor: Anthony Burgess
Editora: Aleph
Páginas: 288
Ano de lançamento: 2019

Comprar na Amazon


Frases do livro Laranja Mecânica

“…A tentativa de impor ao homem, uma criatura evoluída e capaz de atitudes doces, que escorra suculento pelos lábios barbados de Deus no fim, afirmo que a tentativa de impor leis e condições que são apropriadas a uma criação mecânica, contra isto eu levanto minha caneta-espada…”

Bondade é algo que se escolhe. Quando um homem não pode escolher, ele deixa de ser um homem.

Ser bom pode ser horrível. E quando digo isso a você, percebo o quão autocontraditório isso soa. Eu sei que perderei muitas noites de sono por causa disso. O que Deus quer? Será que Deus quer insensibilidade ou a escolha da bondade? Será que um homem que escolhe o mal é talvez melhor do que um homem que teve o bem imposto a si?

A prisão lhe ensinou o sorriso falso, o esfregar de mãos da hipocrisia, o risinho obsequioso, untuoso e bajulador. Também lhe ensinou outros vícios, assim como lhe confirmou aqueles que já praticava há muito.

— Escolha — resmungou uma goloz rica e profunda. Videei que ela pertencia ao chapelão da prisão. Ele não tem nenhuma escolha, tem? A preocupação consigo mesmo, o medo da dor física, o levaram a esse ato grotesco de autodepreciação. Sua insinceridade estava clara. Ele deixa de ser um malfeitor. Ele também deixa de ser uma criatura capaz de escolha moral.

Eles transformaram você em alguma coisa que não um ser humano. Você não tem mais o poder de decisão. Você está comprometido com atos socialmente aceitáveis, uma maquininha capaz de fazer somente o bem. E vejo isso claramente: essa questão sobre os condicionamentos de marginais. Música e o ato sexual, literatura e arte, tudo agora deve ser uma forte não de prazer, mas de dor.

Mas a intenção essencial é o verdadeiro pecado. Um homem que não pode escolher deixa de ser um homem.

A tradição da liberdade significa tudo. As pessoas comuns deixarão isso passar, ah, sim. Elas venderão a liberdade por uma vida mais tranquila.

A juventude precisa acabar, ah sim. Mas a juventude é apenas quando nos comportamos tipo assim como os animais.


Leia também: O Conto da Aia de Margaret Atwood: Um Distópico Impactante

bilheteslivros
Logo